quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

FELIZ NATAL! :) MAS POR QUE MESMO :(


Fim de ano, família reunida, festas, comemorações, presentes, descontos, promoções, viagens; o que mais a gente faz mesmo? Ah! Bolinhas coloridas, pisca-piscas, árvore de natal e claro, como poderia me esquecer, d'Ele, O PAPAI NOEL. Mas quem é esse cara? O que ele representa? O que ele fez?

Parece que estamos mau acostumado com o recado da Igreja quanto a data do dia 25 de dezembro. Obviamente Jesus não nasceu nesta data; a mesma é apenas uma oportunidade para que possamos refletir A PROPOSTA DE JESUS. Para o mestre o "reino de Deus" deveria ser de paz, justiça, igualdade de direitos, perdão e, sobretudo, caridade; mas com o passar desses anos d.C. estamos caminhando para um reino cuja base é, egoísmo, preconceito, individualismo, perseguição, inveja, violência, opressão, desigualdade e morte.

Os cristãos, católicos ou não, estão deixando reinar a ideia de natal ser sinônimo de insuportáveis carros de sons anunciando descontos das lojas, promoções acirradas e altamente competitivas, momento de "reencontro" com familiares distantes, festas com presentes, viagens, férias, mesas fartas de comidas (na mesa de alguns) e uma seria de vaidades pessoais que aumentam aritmeticamente nossa espera pelo "fim do ano".

No entanto o lado verdadeiro e teológico da coisa está caindo no esquecimento. O natal é uma apropriação da Igreja para que os fiéis, independente de suas congregações possam olhar para dentro de si, dentro de seus templos, para seus passos dados, para seus projetos de futuro sobretudo seu meio onde está inserido e se questionar: quanto de tudo isso está de acordo com a proposta de Jesus? Quanto eu tenho feito para seguir os preceitos do Deus menino que nasceu?


Fique com esta pequena mensagem e não se esqueça: Natal é momento de refletir, meditar e celebrar A VINDA E A VOLTA daquele que trouxe "uma proposta de vida diferente", ou seja a boa nova.