quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

FELIZ NATAL! :) MAS POR QUE MESMO :(


Fim de ano, família reunida, festas, comemorações, presentes, descontos, promoções, viagens; o que mais a gente faz mesmo? Ah! Bolinhas coloridas, pisca-piscas, árvore de natal e claro, como poderia me esquecer, d'Ele, O PAPAI NOEL. Mas quem é esse cara? O que ele representa? O que ele fez?

Parece que estamos mau acostumado com o recado da Igreja quanto a data do dia 25 de dezembro. Obviamente Jesus não nasceu nesta data; a mesma é apenas uma oportunidade para que possamos refletir A PROPOSTA DE JESUS. Para o mestre o "reino de Deus" deveria ser de paz, justiça, igualdade de direitos, perdão e, sobretudo, caridade; mas com o passar desses anos d.C. estamos caminhando para um reino cuja base é, egoísmo, preconceito, individualismo, perseguição, inveja, violência, opressão, desigualdade e morte.

Os cristãos, católicos ou não, estão deixando reinar a ideia de natal ser sinônimo de insuportáveis carros de sons anunciando descontos das lojas, promoções acirradas e altamente competitivas, momento de "reencontro" com familiares distantes, festas com presentes, viagens, férias, mesas fartas de comidas (na mesa de alguns) e uma seria de vaidades pessoais que aumentam aritmeticamente nossa espera pelo "fim do ano".

No entanto o lado verdadeiro e teológico da coisa está caindo no esquecimento. O natal é uma apropriação da Igreja para que os fiéis, independente de suas congregações possam olhar para dentro de si, dentro de seus templos, para seus passos dados, para seus projetos de futuro sobretudo seu meio onde está inserido e se questionar: quanto de tudo isso está de acordo com a proposta de Jesus? Quanto eu tenho feito para seguir os preceitos do Deus menino que nasceu?


Fique com esta pequena mensagem e não se esqueça: Natal é momento de refletir, meditar e celebrar A VINDA E A VOLTA daquele que trouxe "uma proposta de vida diferente", ou seja a boa nova.

segunda-feira, 7 de setembro de 2015

Parabéns pelo dia da FARSA!

Hoje é o dia da farsa! Isso mesmo, FARSA. Afinal, somos livre do que mesmo? Independência pressupõe emancipação econômica e política dos povos, para se referir a uma qualidade de moradia, saúde educação, e assistência pública pelo menos perto do mínimo necessário.
Por quê desfilar nas ruas com roupas caríssimas, ao som de uma marcha militar? Para simbolizar nossa liberdade? Acho que não. Está mais para perpetuar gesto de obediência à "nação rica", sim! Aqueles que estão na lava jato, aqueles que gastam nossos recursos sem planejamento, aqueles que são tomados pela corrupção e dizem ser nossos representantes à aqueles que quando pensam em um grande projeto político vêem apenas a alienação da grande massa em torno de um cabo eleitoral.
É revoltante ter que aceitar, mas é verdade. As ações de nosso governo de maneira geral, em todas as esferas e em todos os poderes, estão chegando ao cumulo da corrupção. Atitudes como a criação de mais usinas hidrelétricas ao contrário do uso da energia eólica ou solar causará o fim de nosso sustentáculo ambiental em condições que já não são normais; terceirizar os empregos públicos é o mesmo que desresponsabilizar o governo de seu papel. Esses exemplos é s[o para instigar a reflexão das consequências que os gestos governamentais estão causando.
Hoje sinto que se repetisse o verbete: "tenho orgulho de ser brasileiro", estaria apenas divulgando uma ideologia falsa e terceirizada. Penso que esse orgulho deve vir de uma sensação de realização pessoal e social que está estreitamente ligado às ações políticas que infezlimente não estão colaborando.
Quer ouvir meu grito? Eu dou. Feliz dia da farsa, ou avante MARCHA DOS EXCLUÍDOS

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

“Um homem que é muito explorado, quando tem oportunidade, sua grande tendência é de explorar também” Karl Marx

“Um homem que é muito explorado, quando tem oportunidade, sua grande tendência é de explorar também” Karl Marx

Hoje estive na ultima prestação de contas da diretoria do STTR de Grajaú, e por mais que houvesse irregularidades conseguiram ao longo de quatro anos aprovarem suas contas duvidosas.
É valido destacar que hoje houve uma grande diferença, talvez por causa da movimentação que teve o processo eleitoral que foi cancelado, pudemos ver a atual diretoria darem o melhor de si e na política do vale tudo arrastarem pessoas para aprovarem suas contas fajutas.
Que nossos diretores são arrogantes, prepotentes e sem caráter, isso não é novidade. Mas hoje além das qualidades anteriores tivemos que enfrentar a intolerância, o medo, a opressão e o abuso de poder; foi com surpresa que presenciei o presidente do Sindicato apressar o momento da votação, tentar calar a voz dos que estavam insatisfeitos até causar agitação na reunião. ELE, que deveria defender a justiça, que deveria proporcionar a interação, facilitar a compreensão dos sócios que sustentam aquela casa; ao contrário, arquitetava meios para não terem que se explicarem para onde levaram as entradas referentes às quitações do período eleitoral e as somas incoerentes das despesas anuais.
Foi possível perceber também um comportamento incomum por partes de alguns presentes, foi notória a tentativa de escarnecer a posição crítica com a qual argumentava alguns insatisfeitos, parece que estávamos em uma torcida de futebol e não em uma reunião onde pudéssemos interagir, argumentar, questionar e ser escutados; tinha certamente um pessoal treinado para vaiar e fazer calar a nossa voz; pessoas que mesmo que apresentassem um comprovante de sócio, nunca foram trabalhadores rurais, moradores da zona urbana, que não conhece a luta do movimento sindical e outros tantos, que vivem como gado, marcados pela desesperança de que podemos ao menos sonhar com uma política sindical pautada na justiça, transparência e presteza.
Foi com tristeza que ouvi da boca de alguns delegados que se dizem evangélicos, “crentes” que até usaram versículos bíblicos, conceitos da moral e da ética para tentar confundir a certeza do desvio de conduta que nosso sindicato se encontra, foi absurdo ouvir dessas pessoas, eleitas pelo povo para representa-los, que se dizem seguidores de Jesus Cristo, pregador da palavra de Deus, dizer uma aberração que quero transcrever aqui: que “se alguém não foi bem atendido no sindicato o problema é seu” , foi opressor ouvir esta pessoal dizer que estávamos faltando com respeito, que deveríamos respeitar mais a diretoria, só porque queríamos o direito de falar e fomos injustamente impedidos. Certamente esse pregador esqueceu-se de ler onde o próprio Jesus disse: bem aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão saciados.

Nós sabíamos que eles fariam de tudo para aprovar a anomalia, que chamam de prestação de contas, mas a luta ainda não acabou e o resultado manipulado de hoje não significa que precisamos engolir suas imposições, pois quem tiver a oportunidade de analisar detalhes por detalhes as contas daquela casa conclui que a verdade gira por outra rota.