domingo, 4 de dezembro de 2011

Logística e terra fizeram Suzano Energia Renovável escolher o MA 30 de setembro de 2011 • 19h23 • atualizado 19h50

A disponibilidade de terras a um preço acessível e a questão logística foram decisivas para que o Maranhão fosse escolhido para sediar duas das três fábricas da primeira fase de implantação da Suzano Energia Renovável. As duas unidades serão independentes da fábrica de celulose que a controladora Suzano Papel e Celulose terá no Estado, segundo o presidente do braço de energia renovável, André Dorf.
As duas unidades estarão localizadas nos municípios de Urbano Santos ou Chapadinha, distantes de Imperatriz, onde será instalada a fábrica de celulose. O investimento previsto é de cerca de R$ 1 bilhão, entre a formação florestal e a parte industrial."Os motivos (para a escolha do Maranhão) são que a gente tem uma proximidade grande com o principal mercado consumidor, a Europa, a gente ganha uns cinco dias de navio, e tem a questão de disponibilidade de terras a um preço razoável", afirmou Dorf em entrevista à Reuters.A Suzano Energia Renovável vai atuar no mercado de biomassa para geração de energia por meio da produção pellets de madeira (pequenos pedaços de eucalipto) para exportação. Estão previstas inicialmente três unidades produtoras de 1 milhão de t de pellets por ano cada, a serem instaladas até 2014. A terceira unidade ainda não tem local definido, mas Dorf garante que ela também será construída no Nordeste.A empresa ainda não definiu como será a sua estrutura de capital, mas o objetivo é minimizar uma eventual necessidade de um aporte de recursos da controladora. "Estamos trabalhando em algumas alternativas. A gente está avaliando a possibilidade de trazer um sócio na operação", disse o presidente, que lembrou ainda da preocupação da Suzano Papel e Celulose com a sua alavancagem."A gente está avançando muito, já estamos negociando com fornecedores, frete marítimo", disse Dorf. A decisão de compra de equipamentos, entretanto, deve acontecer apenas em 2012. Ao contrário da fábrica de celulose, onde todo o transporte do insumo será feito por ferrovia, no caso das fábricas da Suzano Energia Renovável serão utilizadas rodovias para o transporte do produto final.A fábrica de celulose no Maranhão iniciará suas operações em novembro de 2013. Em 2011, os aportes nessa unidade serão de R$ 1,154 bilhão, parte de um orçamento da Suzano de R$ 3,5 bilhões para o atual exercício. Está prevista ainda uma unidade no Piauí, com início das operações esperado para o primeiro semestre de 2016.